MIGUILIM E AS MÚLTIPLAS FORMAS DO VER E DO SER

Patrick Wagner de Azevedo

Resumo


Nesse trabalho, pretende-se analisar o conto Miguilim de Guimarães Rosa a partir de uma aproximação que
aponte para múltiplos significados da condição de limitação visual de Miguilim. O ver pode assumir
diferentes matizes e apresenta-se como uma abertura ou janela de encontro de novos significados
existenciais. O ver compõe uma tríade que conta ainda com mais dois aspectos cognitivos: a percepção e a
compreensão. Evidencia-se que qualquer alteração de um dos aspectos da tríade produz necessariamente
mudanças nos outros aspectos. Desse modo, o Mutum de Miguilim era parcialmente velado pela limitação
visual, mas especialmente pela presença ameaçadora de seu pai. Sim, o pai de Miguilim e sua fixidez
significativa, isto é, sua ausência de abertura para novas possibilidades existenciais, impedia que o Mutum
fosse realmente "visto" como bonito. Nesse sentido, Miguilim e seu pai são representantes de dois
diferentes modos de relação assumidos pelo EU: a relação EU-TU e a relação eu-isso. Enquanto na primeira
relação há reciprocidade e compreensão, na segunda há objetivação e ausência de diálogo. Assim, o
velamento do mundo não significa apenas deficiência visual ou cegueira, mas poderá permitir ou não o
encontro de novos modos de ser no mundo, afastando-se da fixidez essencialista que paralisa os homens
num mesmo arranjo existencial que necessariamente está referido à morte. Mas, Miguilim se salva, sim, se
salva da morte psicológica, pois abre seu mundo e deixa vir à luz todas as possibilidades de uma nova vida.
Palavras chave: Ser, Ver, Existência, Sentido.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.