TRABALHO NOTURNO: SEUS EFEITOS NA SAÚDE DOS TRABALHADORES DA ÁREA DE SAÚDE NA CIDADE DE PARNAÍBA-PI

Wesley Rodrigues da Costa, Raquel Pereira Belo, Mayara dos Santos Sales, Igor de Castro Sales, Pollyanna Nathércia de Vasconcelos Rodrigues

Resumo


De acordo com o artigo 73 da Consolidação das Leis de trabalho (CLT), o trabalho noturno é aquele executado entre as 22 horas de um dia e as 5 horas do dia seguinte. Existem serviços indispensáveis à sociedade, dentre eles os ofertados pela categoria profissional da Saúde. A presente pesquisa teve por objetivo conhecer os efeitos do trabalho noturno na saúde dos trabalhadores que atuam no ramo da saúde na cidade de Parnaíba-PI. A pesquisa foi realizada com 25 profissionais da cidade de Parnaíba-PI, todos os participantes tinham idade acima de 18 anos. O instrumento foi um roteiro de entrevista semi estruturada e um questionário sociodemográfico a fim de que se conhecesse o perfil dos participantes. A análise dos dados foi feita por meio do software IRAMUTEQ. Os resultados apontaram aspectos significativos do cotidiano laboral desses profissionais, tais como alteração no sono, no lazer e nas relações sociais comprometidas pela falta de tempo em decorrência dos vínculos empregatícios. Nesta dinâmica, os profissionais priorizam as atividades domésticas, em alguns casos existe insatisfação com o horário de trabalho e perspectivas de mudança para o expediente diurno.


Palavras-chave


Trabalho Noturno; Profissionais da Saúde; Parnaíba – PI.

Texto completo:

PDF

Referências


ALÓE, F.; AZEVEDO, A. P.; HASAN, R. Mecanismos do ciclo sono-vigília. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 27, supl. 1, 2005.

BERTOLAZI, A. N.; BARRETO, S. S. M. Tradução, adaptação cultural e validação de dois instrumentos de avaliação do sono de Pittsburgh: escala de sonolência de Epworth e Índice de Qualidade (Dissertação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2008.

BRASIL. Presidência da República. Decreto-Lei nº. 5.452, de 1º de maio de 1943. Brasília, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del5452.htm.

CAMARGO, B. V.; JUSTO, A. M. IRAMUTEQ: um software gratuito para análisede dados textuais. Temas em Psicologia, v. 21, n. 2, p. 513-518, 2013.

CODO, W. Um diagnóstico do trabalho com ênfase em saúde mental. In JACQUES, M. G.; CODO, W. Saúde mental & trabalho: leituras. Petrópolis: Vozes, 2002.

CODO, W.; SORATTO, L.; VASQUES-MENEZES, I. Saúde mental e trabalho. In. ZANELLI, J. C.; BORGES-ANDRADE, J. E.; BASTOS, A. V. B. Psicologia, Organizações e Trabalho no Brasil, Porto Alegre: Artmed, 2014.

DROUT, X.; QUENTIN, S. Sleep Neurobiology and Critical Care Illness. Critical Care Clinics, v. 31, n. 3, 2015.

ENGELS, F. Sobre o papel do trabalho na transformação do macaco em homem. In. ANTUNES, R. A dialética do trabalho, São Paulo: ed. Expressão Popular, 2004.

FIGUEIREDO, N. M. A.; MACEDO, M. C. S. Fadiga: intercorrências na assistência de enfermagem. Rio de Janeiro: Universiodade do Rio de Janeiro; 1982.

GASPAR, S.; MORENO, C.; MENNA-BARRETO, L. Os plantões médicos, o sono e a ritmicidade biológica. Revista da Associação de Medicina Brassileira, v.44, n.3, 1998.

GOMES, M. M.; QUIHONES, M. S.; ENGELHARDT, E. Neurofisiologia do sono e aspectos farmacoterapêuticos dos seus transtornos. Revista Brasileira de Neurologia, v. 46, n. 1, 2010.

JESUS, C. S. et al. Implicações do serviço noturno nos profissionais de enfermagem hospitalar: uma revisão integrativa. Revista Uniabreu, v. 9, n. 22, 2016b.

JESUS, C. S. et al. Reflexo do serviço noturno frente às condições de trabalho, saúde, vida social e familiar do profissional de enfermagem. Criciúma: Revista Inova Saúde, v. 5, n. 2, dez 2016a.

KASPER, D. L. et al. Medicina interna de Harrison. 19. ed. Porto Alegre: AMGH, 2017.

LISBOA, M. T. L. et al. O trabalho noturno e suas repercussões na saúde do trabalhador de enfermagem. Rio de Janeiro: Revista de Enfermagem, UERJ, v. 18, n. 3, 2010.

MARCHAND, P.; RATINAUD, P. L’analyse de similitude appliquée aux corpus textuels: les primaires socialistes pour l’élection présidentielle française (septembre-octobre 2011). Actes des 11eme Journées internationales d’Analyse statistique des Données Textuelles. JADT, p. 687-699, 2012.

MAURO, M. Y. C.; et al. Riscos ocupacionais em saúde. Revista de Enfermagem da UERJ, 2004.

MORENO, C. R. C.; FISHER, F. M.; ROTENBERG, L. A saúde do trabalhador na sociedade 24 horas. São Paulo em Perspectiva, n. 17, v. 1, 2003.

OMS. Constituição da organização Mundial da Saúde de 1948. São Paulo: Biblioteca virtual de Direitos Humanos, 2017.

PRATA, J.; SILVA, I. S. dimensões do contexto social e organizacional: um estudo na indústria eletrônica. Revista de Psicologia Organizacional e do Trabalho v. 13, n. 2, maio-ago, 2013.

RÉGIS FILHO, G. I. Síndrome da má-adaptação ao trabalho em turnos – uma abordagem ergonômica. Revista produção, v. 11, n. 2, abril 2002.

ROTENBERG, L.; et al. Gênero e trabalho noturno: sono, cotidiano e vivências de quem troca a noite pelo dia. Caderno de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, maio-jun, 2001.

SANTOS, A. A.; COSTA, O. R. S. Qualidade de vida no trabalho dos profissionais de Enfermagem que atuam no período noturno em um Hospital Escola do Sul de Minas Gerais. Revista Ciências em Saúde, v. 6, n. 1, 2016.

SILVA, E. C. G. et al. Impactos gerados pelo trabalho em turnos. Perspectivas Online, v. 4, n. 13, 2010.

SILVA, I. S.; PRATA, J.; FERREIRA, A. I. Horários de trabalho por turnos: da avaliação dos efeitos às possibilidades de intervenção. International Journal on Working Conditions, n. 7, jun 2014.

SIMPLÍCIO, I. O. B. et al. Fatores que interferem na qualidade de vida em profissionais de enfermagem. Revista de Publicação Acadêmica da Pós-Graduação do IESPES, v. 1, n. 23, 2015.

TAKANA, S. L et al. Estudo de algumas condições que dificultam a assistência de enfermagem no período noturno. Acta Paul Enf, v. 1, n. 4, 1988.




DOI: http://dx.doi.org/10.25242/887682120181288

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Wesley Rodrigues da Costa, Raquel Pereira Belo, Mayara dos Santos Sales, Igor de Castro Sales, Pollyanna Nathércia de Vasconcelos Rodrigues

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.