A DESVALORIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE BRASILEIRO: UMA REFLEXÃO DE SEUS ASPECTOS HISTÓRICOS

Viviana Patricia Kozlowski Lucyk, Edilene Hatschbach Graupmann

Resumo


Esta proposta de estudo pretende abordar o tema da desvalorização do trabalho docente. Nesse ínterim, busca-se entender como ocorreu a desvalorização da classe docente no Brasil e quais os principais fatores que contribuíram para esse processo. Com base nisso, os objetivos e interesses de pesquisa estão ligados à reflexão sobre a situação atual dos professores, considerando as tendências pedagógicas da educação brasileira, o contexto histórico e as mudanças sociais que causaram a transformação no trabalho docente e o desprestígio de sua imagem perante a sociedade. Historicamente, a educação é de fundamental importância para o desenvolvimento do homem e é vista, nos dias atuais, como principal via de acesso ao desenvolvimento socioeconômico de um país. A metodologia da pesquisa é do tipo exploratório e teórico bibliográfico. No decorrer da pesquisa verificar-se-á quais são os principais fatores que contribuíram para o processo de desvalorização da classe docente no Brasil, com ênfase à proletarização da profissão, à massificação da educação e à inserção das mulheres no quadro docente.


Palavras-chave


Professor. Profissão. Desvalorização Docente.

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, Michael W. Educação e Poder. São Paulo: Artmed, 2002.

______. Trabalho Docente e Textos: economia política das relações de classe e de gênero em educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

ARANHA, Maria Lucia de Arruda. História da Educação. 2 ed. São Paulo: Moderna, 1996.

_____. Filosofia da Educação. 3 ed. São Paulo: Moderna, 2006.

ARROYO, G. Miguel. Ofício de Mestre: Imagens e auto-imagens. 2 ed. Petropólis, RJ: Editora Vozes, 2000.

DELORS, Jacques (Org.). Educação: um tesouro a descobrir. 8 ed. São Paulo: Cortez, 2003.

ENGUITA, Mariano Fernandes. A ambigüidade da docência: entre o profissionalismo e a proletarização. Revista Teoria & Educação. Porto Alegre, 1991, n° 4, p. 41-60.

FREIRE, Paulo. Professora Sim Tia Não, cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d’Água, 1997.

GENTILI, Pablo. Desencanto e Utopia: A educação no labirinto dos novos tempos. Petrópolis: Vozes, 2008.

LIBÂNEO, José Carlos. OLIVEIRA, João Ferreira de. TOSCHI, Mirza Seabra. Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2003.

LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da Escola Pública: A pedagogia crítico-social dos conteúdos. 22 ed. São Paulo: Loyola, 2008.

______. Pedagogia e Pedagogos, para quê?. 12 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

• MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1998.

NÓVOA, António. O passado e o presente dos professores. In: ______ (Org.). Profissão Professor. Portugal: Porto Editora, 1995. p. 13-34.

PARO, Vitor Henrique. Administração Escolar: introdução crítica. São Paulo: Cortez, 1986.

______. Gestão Democrática da Escola Pública. 3 ed. São Paulo: Ática, 2010.

SACRISTÁN, Gimeno. Consciência e Ação Sobre a Prática como Libertação Profissional dos Professores. In NÓVOA, António (Org.). Profissão professor. Portugal: Porto Editora, 1995. p. 63-92.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho cientifico. São Paulo: Cortez, 1985.

TARDIF Maurice.; LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 2 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

TOZONI-REIS, Marilia Freitas de Campos. Metodologia da Pesquisa. 2 ed. Curitiba: IESDE Brasil S.A., 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.25242/887672020171145

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Viviana Patricia Kozlowski Lucyk

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.