UMA PROPOSTA METODOLOGICA PARA A MODELAGEM DE MDTS PARALELOS

Victor Miguel Silva

Resumo


Diversos fenômenos como dados do relevo ou horizontes pedológicos são tipicamente representados por um ou vários modelos digitais de terreno (MDT), possibilitando a visualização ou cálculos de interesse da propriedade modelada. Em feições representadas por camadas verticalmente sucessivas, podem ocorrer inconsistências como interseções indesejadas e posições espaciais invertidas gerando relações não realistas e analises volumétricas incorretas. Como forma de garantir a reprodução da relação entre as camadas, é proposto o condicionamento na estimativa da espessura descrita em cada nível. A metologia é aplicada a um típico corpo de minério tabular da Zona da Mata Mineira. A comparação entre o método proposto e o tratamento clássico através de comparação dos volumes calculados e validação visual demonstraram a capacidade do método de manter a relação espacial real mesmo em MDTs verticalmente muito próximos.


Texto completo:

PDF

Referências


FELGUEIRAS, C. A. “Modelagem Numérica de Terreno”. In: CÂMARA, G. & MEDEIROS, J. S. eds.). “Geoprocessamento para Projetos Ambientais”. São José dos Campos: INPE, 1998.

MATHERON, G. Principles Principe’s of Geoestatistics. Economic Geology, Lacaster, v. 58, 1936, p.1246-1266.

ROMANO, A. CASTAÑEDA, C. . A tectônica pós-Mesozóica na origem dos depósitos de bauxita da Zona da Mata Mineira. In: Simpósio de Geologia de Minas Gerais, 2003, Ouro Preto. 12 Simpósio de Geologia de Minas Gerais. Belo Horizonte: Sociedade Brasileira de Geologia, Núcleo Minas Gerais, 2003.




DOI: https://doi.org/10.25242/885X7192017648

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Victor Miguel Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.