COMPOSTOS BIOATIVOS EM FLORES COMESTÍVEIS

Joelma Gonçalves, Gabriela Conceição Oliveira Silva, Lanamar Almeida Carlos

Resumo


O uso de flores comestíveis ganha destaque, dentre os alimentos funcionais, devido à presença de compostos bioativos, que são capazes de neutralizar os radicais livres e contribuir para uma alimentação saudável e equilibrada. O objetivo do estudo foi avaliar o perfil de compostos bioativos em flores comestíveis de cinco espécies de plantas, sendo quatro consideradas não convencionais. Avaliou-se os teores de carotenoides, compostos fenólicos, flavonoides e antocianinas em couve-flor roxa e couve-flor verde (convencionais), e flores de ipê-amarelo, amor-perfeito, capuchinha (vermelha e laranja) e ora-pro-nobis, consideradas plantas alimentícias não convencionais (PANC).  As variáveis foram submetidas a análise de variância, em delineamento inteiramente casualizado, com três repetições, seguido do teste de Tukey, ao nível de 5% de significância. As flores de ipê-amarelo apresentaram maiores conteúdos  de carotenoides totais (1.443,3 µg.100 g-1). As flores de amor-perfeito e capuchinha-laranja apresentaram os maiores teores de compostos fenólicos (2,9 e 3,2 g EAG.100 g-1), de flavonoides (294,2 e 106,4 mg.100g-1) e de antocianinas (45,1 e 58,9 mg.100g-1). Foram detectadas as presenças de compostos bioativos dos grupos dos carotenoides, dos flavonoides e das antocianinas e em todas as flores comestíveis avaliadas. As flores de ora-pro-nobis e de couve flor verde, foram as que apresentaram os menores conteúdos dos compostos bioativos.


Palavras-chave


Fitoquímicos; Compostos fenólicos; antioxidantes naturais.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25242/886892920191719

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.