A INGESTÃO AGUDA DE CAFEÍNA NÃO SUPRIME O DECLÍNIO DAS REPETIÇÕES MÁXIMAS E DA VELOCIDADE MÉDIA NO EXERCÍCIO DE FORÇA

Edval Francisco Silva Junior, Victor de Souza Maciel, Christovam Guilherme Narkevics Bayer, Anderson Pontes Morales

Resumo


Diversos estudos têm apresentado a cafeína como moduladora efetiva no aumento do desempenho físico em diferentes manifestações esportivas. Verificar se a suplementação aguda de cafeína (6 mg/kg-1) suprime o declínio das repetições máximas e da velocidade média realizadas no exercício de supino. Foram selecionados seis indivíduos do gênero masculino (idade; 20±2 anos e massa corporal; 80±9 kg-1) praticantes de treinamento de força. Para avaliação do número de repetições máximas (RMs) e da velocidade média foi utilizada uma câmera Casio Exilim FH-20 (210 fps) e o software Kinovea 0.8.23. Utilizou-se o analisador portátil Accutrend Plus. para análise do lactato sanguíneo. Nas comparações entre os grupos (Placebo x Cafeína) não foram observadas diferenças significativas (p>0.05) nas 4 séries executadas. Não foram observadas diferenças significativas (p>0.05) entre os grupos (Placebo x Cafeína) na velocidade média e nas concentrações de lactato. Os resultados deste estudo indicam que a ingestão aguda de cafeína (6 mg de cafeína por quilograma de peso corporal) como pré treino não suprimiu o declínio das repetições máximas e da velocidade média realizadas no exercício de supino.


Palavras-chave


Cafeína; Força Muscular; Treinamento de Resistência.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.25242/886872420171166

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.